Duas opções em debate para o entorno sul

Projetos pretendem desafogar o trânsito na região onde 600 mil pessoas precisam passar todos os dias
Cerca de 600 mil pessoas trafegam, diariamente, entre Luziânia e demais cidades do Entorno até Brasília. O tempo mínimo da viagem é de duas horas. Por isso, dois modais de transporte estão sendo discutidos para tentar desafogar o trânsito na região. Os tipos de transportes em discussão são o BRT (Bus Rapid Transit) e o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), que serão complementares ao sistema de transporte público que está sendo implementado no Distrito Federal.
Um levantamento da Polícia Rodoviária Federal (PRF), responsável pelo trecho, mostra que o fluxo é intenso, os veículos atingem no máximo 20 km/h na BR-040 em horários de pico, com alguns pontos de retenção.
O Departamento de Estrada de Rodagem (DER) realizou três estudos no trecho e resultado aponta que em horário de pico, o tempo percorrido foi de 1h10. Segundo o órgão, o tempo foi registrado após restrição do tráfego de caminhões na BR-040 nos horários de maior movimento. “Temos registrado mais fluidez no trânsito, e o trânsito não está mais parado, apenas em casos em que há acidentes na via”, destaca em nota.
A servidora pública Leila Calaça conta que demora em média 1h20 para chegar na Esplanada dos Ministérios por um caminho alternativo. “Evito pegar a BR-040, pois o trânsito é maior. Faço um percurso maior, mas chego a tempo no trabalho”, explica. Para a moradora do Jardim Ingá, se algum dos modais forem implementados no Entorno Sul irá favorecer a população. “A região não tem transporte de qualidade”.
O especialista em transporte público da Universidade de Brasília, Pastor Gonzales, pontua que os dois projetos de transporte são complementares e que cada um possui características exclusivas. Para o professor, o VLT poderia ser usado com integração em estações do Metrô, como no Guará, por exemplo, onde está se planejando fazer uma estação do veículo. “Já o BRT complementaria com o transporte público que está sendo implementado no DF, o que ajudaria a desafogar o trânsito na região do Entorno Sul”, pontua.
Gonzales avalia que o VLT teria maior eficiência na integração, além da revitalização das cidades onde passaria, como no paisagismo. Leila Calaça também aposta no trem como solução para a população do Entorno Sul. “A linha férrea não está sendo utilizada na sua capacidade máxima e o transporte poderia ajudar, só falta fazer a adaptação”, finaliza.

Expansão do corredor de ônibus
BRT pode ser estendido até a cidade de Luziânia
Foto: Sandro Lima
O corredor exclusivo de ônibus, conhecido com BRT, ainda está em análise pelos Ministérios do Planejamento e das Cidades para entrar no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Mobilidade. O projeto de expansão, de 30 quilômetros, até o município de Luziânia (GO) – o mesmo que já está sendo construído para Santa Maria e Gama –, atenderá cerca de 150 mil pessoas das cidades do Entorno e está orçado em RS 950 milhões, segundo a Secretária das Cidades de Goiás.
Para o secretário das Cidades de Goiás, João Balestra, o projeto do BRT é mais viável, devido ao fato de estar sendo implementado na cidade de Santa Maria (DF). “Imagina o colapso no trânsito caso esse transporte não seja implementado. A população das cidades goianas vendo que, no momento que entram no DF, existe um transporte de qualidade, e na região que moram, o transporte é precário”, pondera.
Balestra não vê a necessidade de dois tipos de transporte público na região. “É como construir dois Maracanã, no mesmo local”, destacou. Ele lembra que o projeto básico apenas aguarda uma escolha da presidente Dilma Rousseff para ser incluído no PAC Mobilidade.
Números do BRT
Trecho aproximado 30 km
Passará por 4 cidades de GO até entrar no DF
Custo inicial de R$ 950 milhões
Recurso do PAC Mobilidade

Dentro das cidades pelos trilhos
Projeto definirá se os trilhos precisam de adaptações
Foto: Roberval Eduão
A implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) entre Brasília e Luziânia está em fase de estudo de viabilidade, de acordo com a Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco), que está a frente do projeto, a estrutura será financiada pelo Fundo Constitucional do Centro-Oeste (FCO).
A empresa, que irá fazer o estudo, irá ser anunciada amanhã (22) e terá o prazo de 10 meses para conclusão. Esse estudo deve avaliar a necessidade de adaptação dos trilhos para transporte de passageiros, que atualmente são usados para transportar cargas. Além do perfil da demanda dos usuários, estações entre outros destaques.
O superintendente da Sudeco, Marcelo Dourado, defende que para salvar a cidade dê um nó no trânsito, o veículo tem que ser no trilho, não no asfalto. “Isso serve tanto para transporte de carga como para de passageiros”, pontuou.
Dourado destaca o projeto levará em conta que a ferrovia já existente e precisará apenas de adaptações e construções de estações. Após o detalhamento, uma nova licitação para as obras e concessão do transporte será lançada. A estimativa para que o veículo seja disponibilizado aos usuários é até o final de 2014. O projeto de execução está previsto em R$ 550 milhões.
LICITAÇÃO
A Agência Nacional de Transporte Terrestres informou que o processo licitatório dos serviços de transporte rodoviário interestadual semiurbano de passageiros da região do Distrito Federal e dos municípios do Entorno está andamento.
Atualmente, o Edital de Licitação e o Contrato de Permissão foram submetidos à Audiência Publica(AP). Nesta etapa, as contribuições recebidas na AP para elaboração de relatório final estão em análise.
Ainda segundo a agência, não há previsão dos ônibus serem adaptados para andar no BRT (Bus Rapid Transit).
Números do VLT
Trecho aproximado 70 km
Passará por 11 cidades do DF e GO
Custo estimado de R$ 550 milhões
Recurso do FCO