Agentes de trânsito recebem o apoio de 230 talonários eletrônicos

O sistema oferece maior rapidez e segurança nas fiscalizações
Com o objetivo de trazer maior rapidez e modernidade ao trabalho dos 240 agentes de trânsito que fiscalizam as ruas do Distrito Federal, o Departamento de Trânsito (Detran) adquiriu 230 talonários eletrônicos, sistema informatizado que substituiu o famoso “bloquinho” e a caneta.
"O serviço permite a consulta imediata da situação do veículo e da habilitação do condutor, o que além de agilizar o trabalho, oferece mais segurança ao agente na hora da abordagem. Antes de entrarmos em contato com o motorista, checamos pela placa os dados daquele veículo, o que nos permite verificar, por exemplo, se o veículo foi roubado”, explica o agente de trânsito  Luiz Souto.
Mas não são apenas os servidores que serão beneficiados com o talonário eletrônico, pois o cidadão que está com todos os documentos regulares não será parado sem necessidade durante as fiscalizações. 
“O condutor que estiver com a habilitação e IPVA em dia ou os que não possuirem antecedentes de dirigir embriagado, não serão parados sem necessidade”, afirma o diretor-adjunto do Detran, Francisco Saraiva.
O sistema online disponível no talonário eletrônico também evita alguns erros que não seriam detectados sem essa tecnologia, como por exemplo, uma carteira de habilitação falsa. 
Além disso, como o sistema é georreferenciado, todos os agentes de trânsito recebem simultaneamente o registro das infrações (o que, quando e onde), o que permite que outros agentes auxiliem, em casos de necessidade. É possível também tirar foto da infração e usá-la como prova quando solicitado pela Polícia Civil.
Todos os detalhes registrados no sistema auxiliarão nas estatísticas realizadas pela órgão, o que permite, a longo prazo, ações direcionadas para cada região. 
“Poderemos, por exemplo, checar que naquela via encontramos um número maior de pessoas que não usam o cinto, ou ultrapassam o sinal vermelho, e assim realizar ações educativas e preventivas específicas para aquela área”, explica Saraiva.