Cuidado com os olhos! Doenças oculares podem aumentar no verão

 

Oftalmologista dá dicas de cuidados nesta época do ano


O verão chegou! E com ele a preocupação com a proteção da nossa pele tende a aumentar a fim de evitar problemas dermatológicos. No entanto, é importante reforçar também o cuidado com os nossos olhos, uma vez que a estação mais quente do ano proporciona o surgimento de alguns problemas oculares. 

Entre as doenças mais comuns estão conjuntivite, pterígio e ceratite. Para evitar o contágio delas, a oftalmologista do CBV- Hospital de Olhos Camila Lopes Guimarães explica o que são essas doenças e dá dicas de como manter seus olhos saudáveis nessa época do ano. 

Segundo a especialista, a exposição aos raios solares e à água, seja de piscina, cachoeiras ou do mar, podem trazer consequências, especialmente para quem já utiliza óculos ou lentes de contato. Com isso, podem ocasionar incômodos com a claridade, distúrbio conhecido como fotofobia, alergias e também o desenvolvimento ou agravamento de doenças como o pterígio, a popularmente conhecida como “carninha no olho”, devido ao crescimento anormal do tecido que cobre a córnea.

Já a conjuntivite, doença mais comum do verão, trata-se de uma irritação ou inflamação da conjuntiva, membrana que recobre a parte branca do olho. Ela pode ser causada por alergias ou por uma infecção bacteriana ou viral e é altamente transmissível. A ceratite também é uma inflamação da córnea que pode ser provocada por uma lesão ou infecção originada por vírus, bactérias e fungos ou parasitas. Ela é adquirida por meio de contato com água ou uso de lentes de contato contaminadas e exposição excessiva à luz solar.

Previna-se

Entre as dicas dadas pela Dra. Camila para se prevenir das doenças oculares é fazer o uso constante de óculos de sol, protetor solar e evitar tempos longos debaixo do sol. Confira:

  1. Não saia de casa sem óculos de sol, mesmo em dias nublados

“O indicado é que o seu acessório tenha proteção UVA e UVB. Caso contrário, isso pode prejudicar e até auxiliar no desenvolvimento da fotoceratite, que é a queima da superfície dos olhos pelos raios solares”, explica. Ela lembra ainda que a armação dos óculos deve acompanhar a linha da sobrancelha e que a ponte deve ser ajustada corretamente a cada tipo de nariz, com isso protegendo a área dos olhos e região palpebral. 

  1. Atente-se à validade dos seus óculos

Dra. Camila explica que os óculos de sol também apresentam prazo de validade e precisam de substituição a cada dois anos, geralmente, dependendo do tempo de exposição solar e da qualidade do produto. “Ou seja, quanto mais tempo você ficar ao sol com os óculos, mais rápido eles ficarão desgastados. Isso acontece porque, com o tempo, a luz solar danifica o filtro UV das lentes”, esclarece a médica.

  1. Evite exposição prolongada ao sol

“Além de prejudicar os olhos, ficar muito tempo exposto ao sol é ruim para o corpo. Pode causar desidratação, queimaduras e até propiciar o desenvolvimento de câncer de pele”, afirma Camila. Para manter a saúde e os níveis bons de vitamina D, recomenda-se tomar 15 minutos de sol por dia, preferencialmente antes das 10h e depois das 17h. 

  1. Não se esqueça do protetor solar, inclusive nas pálpebras

A oftalmologista reforça que é necessário utilizar o protetor solar na área das pálpebras, principalmente em paciente com pós operatório recente de blefaroplastia, por exemplo, para que a cicatriz cirúrgica não pigmente.

  1. Use protetores físicos como bonés, chapéus e viseiras 

Por fim, alinhado aos óculos escuros, os protetores físicos são uma defesa a mais para seus olhos, evitando a incidência direta dos raios solares no rosto.