Mostrando postagens com marcador Goiás. Mostrar todas as postagens


Evento de 17 a 20 de novembro tem como destaque mentorias, palestras e visitas a startups, coworkings e projetos sediados no DF

Startups, empreendedores, entidades e investidores atuantes no mercado local estarão reunidos na 2ª edição do Brasília Innovation Week, de 17 a 20 de novembro, no Biotic - Parque Tecnológico de Brasília. O evento integra o projeto Startup Brasília 2030 (SB2030), realizado pela Fundação de Apoio à Pesquisa e Inovação do Distrito Federal (FAPDF) e executado pela Associação das Startups e Empreendedores Digitais (Brasil Startups). A proposta é unir os mais diversos atores do ecossistema por meio de ações que promovam mais interações entre os stakeholders, capacitem os empreendedores e ofereçam ambientes propícios para a inovação aberta.

"O nosso objetivo nesta edição é dar publicidade ao que há de melhor na nossa cidade no que tange a empreendedorismo e startup, gerando mais conexões, sociedades, negócios. Para isso, convidamos empreendedores locais para palestrar para que o público conheça os cases que a nossa cidade possui na área de empreendedorismo e startups”, destaca o presidente da Brasil Startups, Hugo Giallanza. 

As inscrições para esta segunda edição já estão abertas, são gratuitas e podem ser efetuadas pelo link:https://bit.ly/eventos-brasilstartups. As vagas são limitadas.

Na primeira edição do evento, foram realizadas mais de 16 horas de mentorias, 8 horas de meetup, quase 30 horas de networking e mais de 10 investidores. Também houve, na ocasião, o pré-lançamento do Portal Observatório do Ecossistema -  um portal que permite incluir e mapear dados do ecossistema do Distrito Federal e  Região Integrada de Desenvolvimento (RIDE), para elaborar ações e atender às necessidades da região de forma objetiva e efetiva -, e o início das discussões para a criação do Fundo Patrimonial do Empreendedorismo do Futuro. 

“Essa série de eventos realizados em curto intervalo de tempo possibilita mais conexões e negócios para os empreendedores da nossa capital. Então, as pessoas que não conseguiram participar da primeira edição poderão vir nesta segunda”, ressalta o presidente da Brasil Startups. 

Destaques – Um dos destaques do Brasília Innovation Week é a realização do Innovatour Investor, com uma van que levará investidores e atores principais a conhecerem startups, coworkings e projetos sediados em Brasília, além de outras atividades promovidas pelos parceiros.

“Com o Innovatour Investor, vamos levar vários investidores para visitar um grupo seleto de startups do DF. Isso pode gerar um potencial muito grande, pois estamos possibilitando que empresas locais tenham contato com essa estrutura financeira e, quem sabe, consigamos converter isso em investimentos para nossa cidade. Essa situação só é possível pela nossa existência, promovendo essas conexões”, salienta o presidente da Brasil Startups, Hugo Giallanza. 

A programação também é composta de mentorias e workshops com profissionais experientes na área e meetups no estilo happy hour com a participação de atrações musicais, em ambiente propício para realização de networking, novas parcerias e novos negócios. Alguns dos temas abordados nas mentorias nos quatro dias de evento serão: Vendas e relacionamento com clientes; Passos para estruturar o financeiro da sua empresa; Networking, Marketing digital, entre outros. 

“Durante a programação dos meetups, também vamos promover pitches, que são apresentações rápidas de startups para investidores presentes no evento. Será uma excelente oportunidade para geração de networking e negócios estratégicos”, ressalta Tatiana Marques, diretora da Brasil Startups e coordenadora de drive de inovação do Startup Brasília 2030. “Outra novidade é a realização de agendas direcionadas à startups da área jurídica, que integram o drive Legaltech. Em parceria com a Probono, vamos oferecer mentorias e palestras direcionadas a esse público”, completa.

Os mentores são profissionais ligados à Brasil Startups, Centro de Operação, Talento e Inovação operado pela Cotidiano Aceleradora de Startups (C.O.T.I), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-DF), entre outros parceiros.

Outro destaque do evento é a transmissão de toda a programação nas redes sociais da Brasil Startups, permitindo que os inscritos impossibilitados de estar no local do evento acompanhem as palestras e toda a programação. Apesar das recentes flexibilizações divulgadas no Distrito Federal, todos os protocolos de prevenção à Covid-19 serão mantidos a fim de mitigar ao máximo o contágio da doença e quaisquer outras infecções virais durante atividades dessa natureza.

“Estamos com uma boa expectativa de público no modo presencial, mas o evento será transmitido pelas redes sociais e, com isso, também oferecemos a possibilidade de acesso às palestras de forma online", ressalta Giallanza. 

Entre as medidas adotadas pela organização, estão o uso obrigatório de máscara para participantes, palestrantes e visitantes durante todo o evento, a disponibilização de dispensers de álcool em gel, além de monitoramento de temperatura e distanciamento social nos ambientes. 

Ainda como parte das ações previstas no projeto Brasília Startup 2030, durante esta edição do Innovation Week, será dada continuidade à construção do Manifesto do Ecossistema do Distrito Federal e RIDE - uma declaração pública de intenções, motivações e visões das lideranças e stakeholders locais. O documento, que começou a ser criado durante a primeira edição do evento, tem a proposta de manifestar a visão e os desejos dos atores-chave, o que deve aumentar o apoio das lideranças empresariais e governamentais e atrair mais empreendedores.

Sobre o projeto - O projeto Startup Brasília 2030 atua em cinco drives de inovação. São eles: Edtech (startups que atuam na área de educação e que incorporam o uso da tecnologia nos métodos de aprendizagem ou no gerenciamento das instituições); Fintech (startups que trabalham para inovar e otimizar serviços do sistema financeiro); Healthtech (startups que desenvolvem tecnologias para otimizar o sistema de saúde e tudo a ele relacionado); Socialtech (startups que garantem que a revolução tecnológica produza um impacto social positivo) e Govtech (startups que têm como propósito gerar inovação para a gestão pública e auxiliar na economia de recursos públicos através de soluções tecnológicas).

Saiba mais sobre o trabalho da Brasil Startups em: brasilstartups.org/sobre.

Serviço

O quê: Brasília Innovation Week - 2ª edição

Quando:17 a 20 de novembro (2ª edição) e de 8 a 11 de dezembro (3ª edição).

Onde: Parque Tecnológico de Brasília – BIOTIC, Lote 4, Granja do Torto,

Brasília/DF

Horário: das 16h às 21h

Inscrições e programação: https://bit.ly/eventos-brasilstartups


Série de eventos vai promover conexões no mercado e agitar empreendedores do DF e RIDE de 27 a 30 de outubro 

Entre os dias 27 e 30 de outubro, será dado o pontapé inicial da série de eventos do Brasília Innovation Week, que integra o projeto Startup Brasília 2030 (SB2030), realizado pela Fundação de Apoio à Pesquisa e Inovação do Distrito Federal (FAPDF) e executado pela Associação das Startups e Empreendedores Digitais (Brasil Startups).


A proposta é unir os mais diversos atores do ecossistema por meio de ações que promovam mais interações entre os stakeholders, capacitem os empreendedores e ofereçam ambientes propícios para a inovação aberta. Serão realizados três eventos presenciais até o final deste ano. A primeira semana da série está agendada para ocorrer nesta semana, das 14h às 21h, no BIOTIC – Parque Tecnológico de Brasília (DF).

Durante os quatro dias de evento, os empreendedores terão a chance de conhecer projetos desenvolvidos no Distrito Federal e Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (RIDE), fazer networking e negócios estratégicos diretamente com investidores, além de participar de capacitações direcionadas aos cinco drives que correspondem às áreas de atuação tecnológica das startups. A participação é 100% gratuita e as inscrições podem ser confirmadas no site: https://bit.ly/eventos-brasilstartups.

“O projeto Startup Brasília 2030 é uma iniciativa apoiada pela FAPDF no âmbito do seu Programa de Aquecimento do Ecossistema de Inovação do Distrito Federal. Nosso intuito é promover o desenvolvimento inteligente e sustentável de Brasília para transformá-la em uma cidade inteligente. Para conseguir realizar essa tarefa e mudar a matriz econômica e de desenvolvimento da capital federal, enxergamos nas startups atores essenciais, com potencial para gerar soluções para a cidade, oportunidades e ativos econômicos”, afirma o diretor-presidente FAPDF, Marco Antônio Costa Júnior.

A programação foi elaborada para startups em todos os níveis de maturidade: curiosidade, ideação, operação e tração; investidores e possíveis investidores; atores do ecossistema; universidades; prestadores de serviços; e representantes do governo e projetos contemplados pela FAPDF. 

“Em cada um desses eventos vamos promover a união de vários players do mercado para proporcionar melhores experiências, maior engajamento  e conexões entre eles, além de gerar ainda mais valor para as startups e os negócios da região”, afirma Hugo Giallanza, presidente da Brasil Startups. “Será uma semana de aprendizados, conexões e oportunidades em um ambiente com múltiplos eventos para startups e empreendedores”, acrescenta.

O evento conta com o apoio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-DF), Centro de Operação, Talento e Inovação operado pela Cotidiano Aceleradora de Startups (C.O.T.I) e BIOTIC – Parque Tecnológico de Brasília (DF).


Como parte das ações previstas no projeto Brasília Startup 2030, durante o Innovation Week também será construído o Manifesto do Ecossistema do Distrito Federal e RIDE, uma declaração pública de intenções, motivações e visões das lideranças e stakeholders da região. O documento vai manifestar a visão e os desejos dos atores-chave, o que deve aumentar o apoio das lideranças empresariais e governamentais e atrair mais empreendedores. 



Programação - O evento prevê, em cada dia, mentorias temáticas, painéis, visitas técnicas para conectar startups a investidores, meetups em formato de happy hours e com a presença de um palestrante, além de outras atividades promovidas pelos parceiros. Os mentores são profissionais ligados à Brasil Startups, C.O.T.I, Sebrae, entre outros parceiros. 


Durante as agendas diárias, também serão realizados os “innovatours Investor”, que serão visitas técnicas promovidas a startups sediadas em Brasília. O tour, que será realizado em vans, visa conectar os participantes a investidores tradicionais, atores-chave e startups em fase inicial.  Ao todo, mais de dez startups serão visitadas pelo grupo nos quatro dias de evento. 


A programação do Brasília Innovation Week ainda contará com os meetups, que irão encerrar todos os dias de evento, em formato de happy hour, com a presença de um palestrante. O objetivo é gerar networking e negócios estratégicos, além de proporcionar conteúdos relevantes para os participantes e fortalecer os cinco drives que correspondem às áreas de atuação tecnológica das startups.


“Trata-se de uma excelente oportunidade para apresentação dos principais projetos, iniciativas e atores chaves, com objetivo de conhecer todas ações que têm ocorrido em Brasília e analisar como elas têm colaborado com o nosso ecossistema”, afirma Tatiana Marques, diretora da Brasil Startups e coordenadora de drive de inovação do Startup Brasília 2030. “Também vale ressaltar que mentorias mensais gratuitas também serão oferecidas pela Brasil Startups aos participantes dos eventos”, completa.

"A Brasília Innovation Week é mais uma oportunidade de capacitação, geração de networking e troca de experiências que oferecemos aos nossos empreendedores para que possam se desenvolver e dar mais um passo para o desenvolvimento de negócios de impacto",  acrescenta o diretor-presidente da FAPDF. 

O que são os drives? – O projeto Startup Brasília  2030 irá atuar em cinco drives de inovação. São eles: Edtech (startups que atuam na área de educação e que incorporam o uso da tecnologia nos métodos de aprendizagem ou no gerenciamento das instituições), Fintech (startups que trabalham para inovar e otimizar serviços do sistema financeiro), Healthtech (startups que desenvolvem tecnologias para otimizar o sistema de saúde e tudo a ele relacionado), Socialtech (startups que garantem que a revolução tecnológica produza um impacto social positivo) e Govtech (startups que tem como propósito gerar inovação para a gestão pública e auxiliar na economia de recursos públicos através de soluções tecnológicas). 

“O projeto Startup Brasília 2030 é uma iniciativa apoiada pela FAPDF no âmbito do seu Programa de Aquecimento do Ecossistema de Inovação do Distrito Federal. Nosso intuito é promover o desenvolvimento inteligente e sustentável de Brasília para transformá-la em uma cidade inteligente. Para conseguir realizar essa tarefa e mudar a matriz econômica e de desenvolvimento da capital federal, enxergamos nas startups atores essenciais, com potencial para gerar soluções para a cidade, oportunidades e ativos econômicos”, acrescenta o diretor-presidente da FAPDF. 

Em novembro, de 17 a 20 de novembro, a programação terá algumas iniciativas voltadas para mulheres, adianta a diretora da Brasil Startups. “A ideia é realizar eventos de soluções rápidas para fortalecer a presença das mulheres no universo empreendedor”, explica. 


Saiba mais sobre o trabalho da Brasil Startups em: brasilstartups.org/sobre

Veja a programação completa do Brasília Innovation Week: https://bit.ly/eventos-brasilstartups.

Interessados já podem participar do Observatório do Ecossistema de Inovação, novo desafio da Brasil Startups, FAPDF e atores-chave do ecossistema.  

 

O que você acha de alcançar um melhor posicionamento no mercado, poder tomar decisões estratégicas mais bem informadas, se debruçar sobre projetos impactantes e entender quem são os stakeholders ou grupo de interesse do seu negócio? Pois está aberta a temporada de construção de um novo cenário para o ecossistema da inovação no Distrito Federal e Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (RIDE)!


A Fundação de Apoio à Pesquisa e Inovação do Distrito Federal (FAPDF) e a Associação de Startups e Empreendedores Digitais do Brasil (Brasil Startups) se uniram para a construção do Observatório do Ecossistema da Inovação (Inovatório), maior e mais completo mapeamento e classificação do ecossistema da inovação do DF e RIDE. 


“O Inovatório é uma ação do projeto Startup Brasília 2030 (SBSB2030), iniciativa apoiada pela FAPDF no âmbito do seu Programa de Aquecimento do Ecossistema de Inovação do Distrito Federal. Nosso intuito com a realização do Programa e o apoio a iniciativas como essa é promover o desenvolvimento inteligente e sustentável de Brasília para transformá-la em uma cidade inteligente”, ressalta Marco Antônio Costa Júnior, diretor-presidente da FAPDF. “O GDF aposta na atuação integrada entre governo, setor produtivo, academia e sociedade para transformar a capital federal em um polo produtor de inovação”, completa.


Voltado para diversos atores-chave, como startups, empreendedores, investidores, universidades, coworkings, escolas, influenciadores e prestadores de serviços especializados, o Inovatório irá suprir a falta de dados estruturados e informações atualizadas sobre o universo da inovação. A proposta é conectar empreendimentos, compartilhar dados e contribuir para a elaboração de políticas públicas mais eficientes para a região. Os interessados em participar do mapeamento deverão acessar o endereço eletrônico do Inovatório.

“Empreendedores poderão encontrar em um único lugar e de forma acessível informações e inteligência de dados para conectar e apoiar a tomada de decisão das startups. O Inovatório também vai permitir que os diversos agentes enxerguem a evolução do setor e avaliem o cenário e as tendências para que possam planejar com maior propriedade as ações que deverão potencializar cada vez mais o ambiente de inovação nos seus negócios e na região”, ressalta  o vice-presidente da Brasil Startups e coordenador de implantação do Inovatório, Wendely Leal.

Integração e conhecimento –  O Inovatório vai reunir essas informações e torná-las acessíveis, fornecendo indicadores para consultas de fins diversos; incentivar políticas públicas com bases de dados; e dar suporte a decisões estratégicas do setor público e privado. Será um hub de conteúdo atualizado em tempo real com dados, informações e aprendizados disponibilizados no portal Observatório do Ecossistema de Inovação, canal que vai contribuir para a conexão de empreendedores, possibilitando a troca de experiências, a cocriação e o fortalecimento dos negócios inovadores e startups na região, o diálogo entre os participantes e a construção de um ambiente favorável à inovação. 

A partir disso, será possível atrair novos investidores e parceiros, além de auxiliar o poder público e privado no processo de criação de políticas públicas e na tomada de decisões estratégicas que favoreçam o crescimento e a prospecção das startups na região. “Acreditamos que as startups são atores essenciais para esse processo de transformação, com potencial para gerar soluções para a cidade, oportunidades e ativos econômicos”, destaca o diretor-presidente da FAPDF.

Como participar – Para participar do mapeamento, basta se cadastrar em um ou mais formulários que estão disponíveis no endereço eletrônico do Inovatório: http://inovatorio.org/mapeamento. Caso queira apenas consultar dados, acesse: inovatório.org.

“Ao contribuir  com o mapeamento, os participantes serão beneficiados com dados que irão possibilitar uma maior compreensão sobre as características do ecossistema de startups e poderão sair do campo das suposições na hora de planejar ações futuras”, afirma o coordenador de marketing na Brasil Startups, Daniel Chacal. “Nós vamos trazer informações gerais sobre o perfil  da startup e dos colaboradores, indicadores de aquecimento, impacto da Covid-19, entre outros”, completa.

A proposta está comprometida com a proteção total dos dados dos participantes, a partir do cumprimento da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), que dispõe sobre o tratamento desses dados, inclusive nos meios digitais.



Aprovação do projeto urbanístico foi publicada no DODF desta terça-feira (31)



O Residencial Sobradinho está a um passo da regularização. O condomínio localizado no Setor Habitacional Contagem, na região administrativa de Sobradinho II, teve seu projeto urbanístico aprovado pelo Decreto nº 42.464, assinado pelo governador Ibaneis Rocha. O documento foi publicado no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) desta terça-feira (31).

O condomínio tem 56 lotes residenciais e uma população estimada em 185 habitantes| Foto: Divulgação/Urbanizadora Paranoazinho

Com a publicação, começa a contar o prazo de até 180 dias para que a Urbanizadora Paranoazinho, responsável pela área, dê entrada com o pedido de registro do imóvel em cartório. O processo antecede a adoção das medidas para melhorar a infraestrutura do local beneficiado.

O condomínio possui uma área de 2,3441 hectares, o equivalente a mais de dois campos de futebol. São 56 lotes residenciais e uma população estimada em 185 habitantes.

Conforme estabelecido pelo decreto, a aprovação está excluída da cobrança da Outorga Onerosa de Alteração de Uso (Onalt). Contudo, há possibilidade de cobrar, caso haja alterações posteriores de uso ou atividade das unidades imobiliárias que compõem o local.

O projeto urbanístico de regularização do Residencial Sobradinho foi aprovado em maio pelo Conselho de Planejamento Territorial e Urbano do Distrito Federal (Conplan). Os parâmetros também foram aprovados pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh) e estão em conformidade com as diretrizes urbanísticas vigentes para Sobradinho II.

*Com informações da Seduh


Ao completar 55 anos, o BRB dá muito orgulho e satisfação para Brasília. Um banco que nasceu junto com Brasília, essa cidade com um olhar para o futuro, cresceu com o propósito de impactar a vida das pessoas e transformar sonhos em realidade. De uma forma ou de outra, o BRB participa do nosso dia a dia conectando boas ideias, acreditando na cidade e sendo ponto de apoio na nossa vida

Foto: Rogério Lopes.

O Banco de Brasília (BRB) alcançou lucro líquido de R$ 242 milhões no primeiro semestre de 2021, crescimento de 20,9% na comparação com o mesmo período de 2020. No segundo trimestre de 2021, o lucro registrado foi de R$ 124, 5 milhões, aumento de 34,7% em relação ao segundo trimestre do ano passado. O resultado expressa a estratégia de expansão dos negócios do BRB com a ampliação da oferta de produtos e diversificação da base de clientes. Como reflexo, observou-se no período a ampliação da margem financeira e aumento das receitas de prestação de serviços.

Para o presidente do BRB, Paulo Henrique Costa, o Banco conseguiu cumprir todas as metas de negócios estabelecidas, apesar de um contexto adverso, ainda decorrente da segunda onda da pandemia da Covid19.  "O BRB cresceu em todas as linhas de negócio, atuando não só como banco tradicional, mas também como banco digital e como banco público, focado na execução dos programas sociais e na prestação de serviços para a população do Distrito Federal", disse.

Convergência
Os deputados distritais Rodrigo Delmasso (Republicanos) e Chico Vigilante (PT) protagonizaram um debate insólito na última semana, no qual os dois elogiaram o BRB. Delmasso afirmou que a instituição hoje figura entre os bancos que mais crescem no Brasil – o que atribuiu à credibilidade adquirida e à parceria com o Clube Flamengo.

"Mercado"
Ele foi aparteado por Vigilante, que disse concordar, apesar de ser oposicionista. "Quando foi feita essa parceria muita gente criticou, mas entendi que era o tipo do negócio com o qual o banco iria ganhar. Não se trata de uma questão de torcida, mas de mercado, de bons contatos com o setor empresarial", destacou o petista.



Inscrições para processo seletivo simplificado iniciam dia 6 de setembro. A seleção inclui formação de cadastro de reserva

Foto: Breno Saeki.

Foi publicado, na edição desta terça-feira (31) do Diário Oficial do Distrito Federal, edital do processo seletivo simplificado para contratação temporária de 500 agentes de vigilância ambiental e 500 agentes comunitários de saúde, e formação de cadastro de reserva.

As inscrições podem ser feitas pelo site do Instituto Brasileiro de Formação e Capacitação na aba "Inscrição e 2ª via do boleto", a partir das 10h do dia 6 de setembro até as 23h59 do dia 21 de setembro. O último dia para pagamento do boleto bancário é dia 22 de setembro. O valor da inscrição para ambos os cargos é de R$ 42.

O processo seletivo simplificado compreende análise curricular, de caráter classificatório, e procedimento de heteroidentificação – negros, também de caráter classificatório. Os detalhes do processo estão no Diário Oficial do Distrito Federal.

A validade do contrato será de um ano, a contar da data da publicação da homologação do resultado final, podendo ser prorrogado uma única vez por igual período. Os contratados não terão direito ao recebimento de gratificações e auxílios que integram a remuneração dos servidores efetivos.

"Com a contratação dos novos agentes, as equipes serão consistidas, acarretando até em aumento do repasse do Ministério da Saúde para a SES-DF no financiamento do programa"Silene Almeida, subsecretária de Gestão de Pessoas

Eles receberão apenas a remuneração básica, sendo R$ 1,7 mil para os agentes comunitários de saúde e R$ 2 mil para os agentes de vigilância ambiental. A jornada de trabalho para os dois cargos é de 40 horas semanais e o nível de escolaridade exigido para ambos é ensino médio.

"A contratação dos mil agentes vai reforçar o trabalho de vigilância à saúde e no enfrentamento à pandemia, considerando que esses agentes têm em suas atribuições o trabalho de combate aos agentes biológicos e não biológicos, além de outras endemias", pontua a subsecretária de Gestão de Pessoas, Silene Almeida.

Além disso, segundo ela, haverá reforço substancial nas equipes de atenção primária que, atualmente, possuem um grande déficit de agentes comunitários de saúde, desfalcando muitas equipes. "Com a contratação dos novos agentes, as equipes serão consistidas, acarretando até em aumento do repasse do Ministério da Saúde para a Secretaria de Saúde no financiamento do programa", explica.

Atenção primária
Segundo o coordenador de Atenção Primária à Saúde, Fernando Erick Damasceno, a contratação representa uma conquista muito grande para a Secretaria de Saúde. "Os agentes comunitários de saúde que ficarão na atenção primária serão para compor as equipes e fortalecer a aproximação com a comunidade, entendendo a necessidade dos territórios e promovendo o vínculo desse território aos serviços", informa.

"Hoje, com o novo modelo de financiamento da Atenção Primária à Saúde no âmbito do SUS, os agentes são fundamentais para realizar o cadastro da população"Fernando Erick Damasceno, coordenador de Atenção Primária à Saúde

Para além desse elo com o território, os agentes comunitários de saúde exercem outras atividades essenciais. "Os agentes possuem funções educativas e de apoio nas atividades coletivas e práticas integrativas. E hoje, com o novo modelo de financiamento da Atenção Primária à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), são fundamentais para realizar o cadastro da população", ressalta Damasceno.

Vigilância à saúde
De acordo com o subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero, a contratação é estratégica para reforçar as equipes responsáveis pelas atividades extra-hospitalares e realizar, por exemplo, as visitas domiciliares.

"Os profissionais vão compor visitas domiciliares para controle de endemias, fazendo rastreamento de contato, monitoramento da rastreabilidade dos diversos tipos de cepa do coronavírus, coleta de dados sobre comportamentos epidemiológicos, entre outras atividades que precisam ser realizadas em campo e servem para subsidiar o conjunto de ações em saúde na Secretaria de Saúde, inclusive o planejamento estratégico para os próximos anos", destaca Valero.


Os agentes, ainda de acordo com o subsecretário, serão de fundamental importância para as estratégias de saúde com visão de território, trazendo, a partir de sua atuação, dados importantes para a promoção e a prevenção à saúde.

*Com informações da Secretaria de Saúde do DF

Com investimento de R$20,4 milhões, a ampliação do trecho de 14,8 km atingiu 25% do cronograma total

Foto: Bernardo Oliveira.

Os 20 mil motoristas que trafegam na região entre São Sebastião e o Jardim Botânico acompanham, diariamente, o avanço da obra de duplicação dos 14,8 km da DF-140. O serviço, iniciado em março deste ano com o investimento de R$20,4 milhões, está previsto para ser entregue à população no primeiro semestre de 2022.

O serviço está previsto para ser entregue à população no primeiro semestre de 2022 e deve beneficiar 20 mil motoristas que trafegam diariamente entre São Sebastião e o Jardim Botânico| Foto: Divulgação/DER-DF

O trabalho que é realizado por 50 operários está com 25% do cronograma total executado. As etapas de terraplanagem, base, sub-base e imprimação estão em fases distintas em diferentes trechos ao longo dos quase 15 km.

"Com a realização desta obra, não apenas os motoristas do DF que trafegam por este trecho serão beneficiados, mas também os condutores que vêm de municípios goianos como, por exemplo, Luziânia e Cidade Ocidental"Cristiano Cavalcante, superintendente do DER

Quando todas essas fases forem concluídas, será implantada a capa asfáltica ao longo de toda a pista – além da restauração do pavimento já existente, executada a drenagem, a implantação da sinalização horizontal e vertical e o paisagismo no trecho nas proximidades do Condomínio Ecológico Parque do Mirante, no Setor Habitacional Tororó.

"Com a realização desta obra, não apenas os motoristas do DF que trafegam por este trecho serão beneficiados, mas também os condutores que vêm de municípios goianos como, por exemplo, Luziânia e Cidade Ocidental", explicou o superintendente de obras do DER, Cristiano Cavalcante.

Moradora de Luziânia, a atendente de loja de departamentos, Bianca Madeira, de 27 anos, se mostra satisfeita com a realização da melhoria viária. Para ela, a obra, que é esperada há décadas, vai facilitar o fluxo de veículos na rodovia distrital.

"Essa obra vai deixar o trânsito menos pesado e evitar engarrafamentos, além de diminuir o risco de acidentes. A duplicação era esperada desde quando eu ainda nem dirigia", lembra.



GDF publica decreto atualizando e consolidando todas as diretrizes do trabalho remoto, estabelece regras, requisitos e metas

Foto: Renato Alves.

O GDF publicou, nesta terça-feira (31), a regulamentação do teletrabalho no âmbito da administração distrital. O Decreto nº 42.462, publicado no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF), autoriza o trabalho remoto de forma permanente, atualiza e consolida todas as diretrizes da modalidade, estabelece regras, requisitos e metas, além de orientar os órgãos públicos distritais no alinhamento à legislação.

"O teletrabalho deixará pessoas mais perto de suas famílias, reduzirá o trânsito na cidade, diminuirá o custo público com mobiliário e locações, dentre outros benefícios. É uma realidade que chegou para ficar", comentou o secretário de Economia, André Clemente.

O texto, elaborado pela Secretaria de Economia, aponta quatro objetivos principais na regulamentação do trabalho remoto: aumentar a produtividade e a qualidade das atividades desempenhadas; economizar tempo e reduzir custos de deslocamento dos servidores até o local de trabalho, contribuindo com a melhoria da mobilidade urbana; ajudar na redução de custos na administração pública, como consumo de água, energia elétrica e outros bens e serviços disponibilizados no órgão; além de promover a cultura orientada para resultados, com foco no incremento da eficiência e da efetividade dos serviços prestados à sociedade.

O GDF implantou o trabalho remoto na pandemia da covid-19, em 2020, o que garantiu segurança aos servidores, alinhou mais produtividade com economia de recursos públicos, além de avançar na melhoria da qualidade de vida do funcionalismo.

"O serviço público está se modernizando para ser melhor e entregar mais à população. O teletrabalho deixará pessoas mais perto de suas famílias, reduzirá o trânsito na cidade, diminuirá o custo público com mobiliário e locações, dentre outros benefícios. É uma realidade que chegou para ficar", afirma o secretário de Economia, André Clemente.

A adoção do teletrabalho é facultativa, a critério dos órgãos e das chefias imediatas das unidades

Não se enquadram no conceito de teletrabalho as atividades que, em razão da natureza do cargo ou das atribuições da unidade de lotação, são desempenhadas externamente às dependências do órgão. Além disso, servidores em estágio probatório e aqueles que trabalhem em escala de revezamento ou plantão estão fora da modalidade.

Os servidores que optarem pelo trabalho remoto poderão realizar suas atividades de forma integral ou parcial, em dias alternados, definidos previamente em cronograma.

A adoção do teletrabalho é facultativa, a critério dos órgãos e das chefias imediatas das unidades. Caberá ao dirigente máximo do órgão a implementação do teletrabalho e a definição de quais setores poderão adotá-lo.

O decreto destaca que setores em que haja atendimento ao público externo ou interno deverão manter a capacidade plena de funcionamento. Sobre a jornada de trabalho, o texto estabelece que a mesma será considerada cumprida conforme as metas de desempenho estipuladas tenham sido alcançadas.

Requisitos
A partir do decreto, para a implantação do teletrabalho em seus setores, as chefias imediatas deverão elaborar um plano de trabalho com indicadores objetivos para aferir resultados, ferramentas de controle das metas estabelecidas, mensurar os resultados da unidade, com o detalhamento e a descrição das atividades a serem desempenhadas, e estabelecer o quantitativo total de servidores na unidade e o quantitativo que poderá participar, observada a permanência mínima necessária de servidores no setor.

O servidor autorizado a realizar trabalho remoto deverá se responsabilizar pela estrutura de trabalho própria, não cabendo ao GDF qualquer ressarcimento por investimento em mobiliário, infraestrutura tecnológica e de comunicação adequados à realização do serviço

As atividades desenvolvidas em teletrabalho serão formalizadas por meio do Formulário de Pactuação de Atividades e Metas, com os índices, objetivos e metas mensais a serem alcançadas definidas em consenso com os servidores.

Em caso de limitação do número de servidores em teletrabalho dentro de uma unidade,  a chefia imediata deverá priorizar gestantes e lactantes, servidores com horário especial por motivo de saúde, servidores que tenham filhos, cônjuge ou dependentes com deficiência, servidores com dependentes econômicos que constem do assentamento funcional com idade até seis anos ou acima de 65 anos de idade, e servidores com maior tempo de exercício na unidade.

A participação do servidor no regime de teletrabalho poderá ser revista a qualquer momento pelo órgão ou pelo participante. Caso a unidade opte pelo fim do teletrabalho, o servidor deverá ser avisado com 30 dias de antecedência. São motivos para encerramento do regime de trabalho remoto o descumprimento das obrigações previstas no plano de trabalho, metas e resultados e no Formulário de Pactuação de Atividades e Metas, a conclusão do prazo previamente estabelecido, a mudança de lotação ou unidade de exercício, a designação do servidor para a execução de outra atividade não abrangida pelo teletrabalho, por necessidade do serviço e pela priorização de categorias de servidores relacionadas no decreto.

O servidor autorizado a realizar trabalho remoto deverá se responsabilizar pela estrutura de trabalho própria, não cabendo ao GDF qualquer ressarcimento por investimento em mobiliário, infraestrutura tecnológica e de comunicação adequados à realização do serviço. Fica a cargo das unidades de tecnologia da informação dos órgãos divulgar os requisitos tecnológicos mínimos para realização do teletrabalho e viabilizar o acesso remoto dos servidores ao Sistema Eletrônico de Informações (SEI), aos sistemas próprios e ao e-mail institucional.

Ao final de cada ano, o GDF deverá realizar, a partir de dados dos órgãos públicos que aplicarem o teletrabalho, uma ampla avaliação técnica sobre o aproveitamento da adoção do teletrabalho para a Administração, com justificativa quanto à conveniência de sua manutenção, bem como apresentação de possíveis sugestões de melhorias ao órgão central de gestão de pessoas do Distrito Federal.



Vale ressaltar que aqueles que optarem pelo pagamento à vista terão 25% de desconto

Foto: Marcelo Oliveira.

A Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap) publicou, nesta terça-feira, 31 de agosto, novo edital de convocação de venda direta contemplando imóveis do Setor Habitacional Vicente Pires.

Desta vez, são 405 lotes localizados no Trecho 3, a antiga Colônia Agrícola Samambaia. Os ocupantes têm até o dia 29 de setembro para apresentar a proposta de compra junto à Terracap e dar prosseguimento à regularização do imóvel.

O valor dos terrenos unifamiliares varia entre R$ 36,3 (134,5 m²) e R$ 461,1 mil (2,5 mil m²) e já prevê a dedução da infraestrutura feita pelos moradores, bem como a valorização decorrente desta implantação. O edital 05/2021, constando essas e outras informações, já está disponível para download no site da Agência: www.terracap.df.gov.br

A Terracap ressalta que aqueles que optarem pelo pagamento à vista terão 25% de desconto no valor de venda do imóvel. Atualmente, instituições financeiras oferecem linhas de crédito específicas para financiar imóveis oriundos da regularização fundiária.

Assim, quem optar por tomar o recurso em uma dessas instituições, pagará a prazo para a banco, mas integralmente e com abatimento à Terracap. Mas os moradores também podem parcelar o financiamento dos terrenos pela Terracap, neste caso, o prazo máximo de pagamento junto à Agência é de 240 meses.

A proposta de compra e a documentação exigida em edital podem ser apresentadas à Terracap de duas maneiras. Presencialmente, no edifício-sede da Terracap, localizado no Bloco "F", Setor de Áreas Municipais (SAM) – atrás do anexo do Palácio do Buriti, das 7h às 19h; ou de forma remota, pelo site da Terracap, ou pelo aplicativo para dispositivos móveis, disponível nas plataformas Android e iOS, denominado "Terracap".

Para quem não quiser comparecer pessoalmente para efetuar a entrega, é preciso acessar o site da Terracap ou o aplicativo da Agência e procurar pelo menu "Serviços". Ao encontrá-lo, deve seguir os passos: clique em " Regularização – Venda Direta". Ao abrir a página "Terracap – Serviços online", acesse a plataforma com os dados de login.

Na página inicial, clique em "Regularize Venda Direta". Selecionado o "Regularize Venda Direta", opte por "Passo 1 – Criar Cadastro".  Após o cadastro criado, um novo passo será inserido:  "Passo 2 – Criar proposta". Neste momento, será feita a confirmação das informações inseridas e o upload dos documentos. Encaminhe-os. O processo de envio estará concluído.

Mais informações podem ser obtidas por meio dos canais de atendimento da Terracap, no call center (61) 3342-1103, ou pelo atendimento remoto, por meio do chat online. É só acessar: www.terracap.df.gov.br

* Com informações da Terracap

 Entenda porque a gordura pode ser uma forma de proteção do corpo

De acordo com dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde, a obesidade é um dos problemas de saúde mais graves que a população em geral enfrenta. Segundo a mesma fonte, a obesidade, até 2025, deve afetar mais de 700 milhões de pessoas pelo mundo. No Brasil, 19,8% da população sofre desse problema.

Segundo a fisioterapeuta e especialista em medicina integrativa, Ana Peixoto, “a obesidade é um problema de saúde comum porque as suas causas afetam muitas pessoas”. Desse modo, muito além do simples fato de ingerir mais calorias do que se utiliza por dia, as pessoas obesas, têm, em sua maioria, causas comuns que originam o problema.

Dentro do estudo das 5 Leis Biológicas, teoria criada pelo médico alemão Dr. Hamer, a maneira como vivemos determinadas situações impactam diretamente nas nossas dores e problemas físicos. “Com a obesidade, não é diferente”, afirma a especialista em emoções e patologias. “Colocamos gordura onde precisamos proteger”. A gordura está relacionada à necessidade de proteção, ao quanto a pessoa se sente julgada, bem como aos medos que ela tem de faltar algo como comida, amor, reconhecimento.

Engordamos também quando sentimos que não tivemos o valor que gostaríamos de ter tido para o outro. Desse modo, esse sentimento de ser menosprezado e não ganhar a valorização que merece, é, muitas vezes, expressado pela gordura corporal, que gera a obesidade.

Na carência e no medo da falta acontece a mesma coisa. Pessoas com pais ausentes ou que vivem em famílias que não têm grandes vínculos afetivos, tendem a buscar esse vazio na comida. “Essa falta de amor, de carinho, de calor humano e de afeto, pode facilmente se desenvolver em forma de obesidade”, explica a especialista.

Como ela disse, a gordura surge como forma de “proteger” de toques indesejados, de julgamentos e até pela necessidade de proteger alguém, quando a gordura se concentra mais na barriga. Ana afirma que “pessoas que apanharam muito na infância podem desenvolver uma gordura localizada onde sofria as agressões como forma de proteger o local de futuras dores”. Não só crianças, contudo, pessoas adultas que também tiveram contato com algum tipo de violência ou vulnerabilidade física, tendem a desenvolver gordura nesse local de dor. Em mulheres que tiveram algum relacionamento abusivo e violento com relação à sexualidade, a gordura tende a aparecer em forma de culote.

“A gordura, assim como todas as nossas patologias está ligada aos nossos problemas emocionais”, alerta a fisioterapeuta. Desse modo, mais do que apenas tratar o resultado que foi manifestado pelos problemas, é importante também ficar atento às verdadeiras causas do problema, para que ele seja erradicado totalmente.

Ana Peixoto

Fisioterapeuta

Terapeuta especialista em medicina germânica

Idealizadora das técnicas de Reprogramação Bio-muscular e Anatomia Emocional

@anapeixoto.oficial

https://anapeixoto.com.br/



Metodologia foi utilizada no Vapt Vupt, por meio do Portal Expresso, e se tornou referência compartilhada, nesta sexta (27/8), na 8ª Reunião Nacional do Grupo de Transformação Digital (GTD.GOV). O Governo de Goiás reduziu em até 58,5% o custo médio ponderado dos serviços oferecidos


Para a Sead, é necessário inserir a transformação digital dos serviços públicos em uma pauta estratégica e prioritária na gestão administrativa estadual (Foto: divulgação)

A atuação da Sead foi destaque em painel do Grupo de Transformação Digital (GTD) do Conselho Nacional de Secretários de Estado da Administração (Consad), realizado via Zoom e transmitido pelo YouTube na manhã desta sexta-feira (27/8). Na ocasião, a pasta foi representada pela superintendente da Central de Transformação da Gestão Pública, Vânia Bareicha, que falou sobre a metodologia de precificação dos serviços prestados pelo programa Vapt Vupt em Goiás.

Por meio da união entre Expresso e Vapt Vupt, o Governo de Goiás conseguiu reduzir em até 58,5% o custo médio ponderado dos serviços oferecidos. A metodologia tem sido compartilhada com outros Estados, em reuniões e encontros promovidos a partir do GTD do Consad. Vânia Bareicha destacou o trabalho desenvolvido pela Assessoria da Subsecretaria de Gestão Pública da Sead, capitaneada por João Quirino, e ressaltou a necessidade de inserir a transformação digital dos serviços públicos em uma pauta estratégica e prioritária em nossos contextos.

Ela afirmou que o desafio da transformação digital é gigantesco. "Sabemos da dificuldade de se compilar dados e criar estratégias para obter o retorno dessas ações. Mas é uma transformação a partir da qual todos ganham: ganha o governo, com um atendimento mais eficiente, ganham os cidadãos incluídos digitalmente e ganham também aqueles que não estão incluídos, com filas menores para resolver suas questões, por exemplo", explicou.

O evento fez parte do segundo dia de programação da 8ª Reunião Nacional do GTD.GOV. O grupo compartilha boas práticas nas gestões estaduais de todo o país, em busca de aprimorar em âmbito nacional a redução de custos e aplicação de novas tecnologias nas Secretarias da Administração. Segundo Bareicha, as discussões do painel específico mediado pela Sead visam municiar as equipes que atuam na área nos diferentes Estados e no Distrito Federal com informações a respeito de métodos que comprovam a vantagem de se investir na transformação digital.

 


                                                                                        Mehmet Turgut Kirkgoz


Cinco perguntas sobre amamentação e câncer de mama

 

Especialista responde principais dúvidas sobre o aleitamento materno e o câncer de mama

 

Amamentar protege a mãe contra o câncer de mama, de acordo com o INCA. Além dos inúmeros benefícios para o bebê, o aleitamento materno promove um maior cuidado para as mães. Quando a mãe é acometida pela doença, na maioria das situações, é possível manter o aleitamento materno. Somente em alguns casos haverá necessidade da suspensão, como quando a mãe está em quimioterapia ou radioterapia, a depender da medicação utilizada.

Mesmo com os benefícios da amamentação, as mães ainda podem ser acometidas pelo câncer mamário. Por isso, é preciso lembrar que “o cuidado e a prevenção ao câncer de mama devem ser feitos o ano todo”, aponta o cirurgião e mastologista da Maternidade Brasília Alexandre Bravin. O médico ainda abordou cinco pontos sobre a amamentação e o câncer de mama. Confira:

1. Amamentar ajuda a combater o câncer de mama? Se sim, por quê?

Sim, porque entende-se que, no processo de amamentação, há uma renovação e maturação celular. Estudos mostram que há uma estimativa de proteção em aproximadamente 4% a cada ano que a mulher amamenta.

2. Quem está em tratamento para o câncer de mama pode amamentar?

Sim. Mas, depende da etapa do tratamento: se for cirúrgico, quimioterápico ou radioterápico, pode haver alguma restrição. Há algumas medicações de quimioterapia e radioterapia que podem ser passadas através do leite e assim é recomendada a suspensão temporária.

3. Quem já teve o câncer de mama pode amamentar?

Habitualmente pode. Mas, depende da cirurgia que foi feita. Se foi realizada uma cirurgia conservadora e não houver comprometimento dos canais do leite, é possível amamentar.

Se a mama houver sido retirada, não tem como realizar o aleitamento.

4. Existe algum sintoma diferente do câncer de mama na mulher que amamenta?

Normalmente, não. O câncer de mama se apresenta sob forma de caroço, quando está palpável. No período da amamentação pode haver alguma dificuldade de identificar o nódulo devido ao aumento e inchaço da mama. Isso porque a mama vai se transformando, fica mais túrgida, maior e cheia de leite. Mas, a mulher consegue perceber por meio do auto-exame se houver caroço. De uma forma ou de outra, é possível fazer diagnósticos por meio de exames de imagem.

5. Existe algum risco para o bebê (tanto no sentido de a mãe estar fazendo quimioterapia quanto da própria doença)?

Depende da medicação da quimioterapia. Existe uma contraindicação por questão de passar essa medicação via leite para o bebê. De todo modo, tem que ser analisado caso a caso.

Se antes já víamos os nutricionistas como profissionais essenciais para uma boa alimentação, neste momento de pandemia eles se tornam ainda mais necessários
Crédito: Jasmine Alimentos

Momento atual levanta debate sobre a necessidade de uma boa alimentação para aumento da imunidade e mudanças de hábitos de vida

Dentre tantas mudanças de hábitos na vida dos brasileiros desde março de 2020, quando a pandemia começou, uma está bem presente: a preocupação com a alimentação e com o que está sendo consumido. Por esse motivo, a indústria alimentícia tem mudado os rótulos dos produtos, deixando mais evidente a composição e os ingredientes.

Outro ponto positivo nesse cenário é o fato de muitas pessoas terem passado a trabalhar remotamente, adotando o homeoffice e, consequentemente, tendo mais tempo – e necessidade – de preparar as próprias refeições. No entanto, a tarefa de cozinhar todos os dias trouxe para muitas pessoas a necessidade de um acompanhamento profissional, que trouxesse o equilíbrio necessário. É o que mostra a pesquisa da plataforma de saúde digital Conexa Saúde, que  registrou um aumento de mais de 330% no número de atendimentos em telenutrição, entre janeiro e maio deste ano. 

Com a normatização das consultas on-line pelo Conselho Federal de Nutrição (CFN) desde o início do ano passado, os atendimentos por videoconferências se tornaram viáveis e se encaixaram na rotina dos pacientes. Desta forma, também por meio de aplicativos, os profissionais conseguem definir o planejamento alimentar de cada paciente e compartilhar as principais dicas e receitas.

Os nutricionistas - cujo dia é lembrado em 31 de agosto - também ajudam na troca e compensação dos alimentos, indicando produtos mais saudáveis e menos nocivos à saúde do organismo. Nessa lista estão os orgânicos, por exemplo, que vêm caindo cada vez mais no gosto dos brasileiros. De acordo com a Organis (Associação de Promoção dos Orgânicos), que ouviu produtores rurais, indústria, distribuidores, feirantes e varejistas de todas as regiões do país, somente no primeiro semestre deste ano, os orgânicos conseguiram se adaptar aos impactos sociais e econômicos provocados pela pandemia, já que 69% das empresas que atuam nesse mercado cresceram durante a pandemia.

“Se antes já víamos os nutricionistas como profissionais essenciais para uma boa alimentação, neste momento eles se tornam ainda mais necessários. São muitas as preocupações atuais com a alimentação dentro das casas dos brasileiros, que vão desde a comida de todo dia, para as principais refeições, até a compra de produtos mais saudáveis nos supermercados para consumir no decorrer do dia”, comenta a gerente de Marketing da Jasmine Alimentos, Thelma Bayoud.

 

Empresas investem

Algumas indústrias viram na pandemia o momento ideal para ampliar ações e ajudar ainda mais os profissionais da nutrição. É o caso da Jasmine Alimentos, que lançou, em julho deste ano, um portal exclusivo para nutricionistas e profissionais da saúde aperfeiçoarem seus atendimentos. Com um conteúdo técnico e criterioso atualizado periodicamente e dicas práticas sobre alimentação saudável, o Jasmine Pro presta serviço para a sociedade de forma gratuita, oferecendo condições para que os atendimento dos profissionais com atuação em todo o Brasil seja ainda melhor.

No portal também está disponível a aba “Meu Guia Jasmine”, que apresenta informações nutricionais detalhadas de todos os produtos da marca. Nela, são indicados os melhores momentos para consumo, a fim de facilitar a prescrição dos alimentos pelo nutricionista no dia a dia do consultório.

“Temos, no histórico da marca, a preocupação com a alimentação saudável e nada mais justo do que, neste momento, nos unirmos ainda mais a esses profissionais tão importantes para nossa saúde. Foi então que, percebendo a nova tendência do mercado de trabalhar de forma on-line, criamos esse espaço inovador, com o intuito de levar informação e saúde de qualidade para a casa dos brasileiros”, finaliza Thelma.

 

Sobre a Jasmine Alimentos

A Jasmine Alimentos é uma empresa referência em alimentação saudável. Com produtos categorizados em orgânicos, zero açúcar, integrais e sem glúten, a marca visa atingir o público que busca alimentos saudáveis de verdade e qualidade de vida. A operação da Jasmine começou de forma artesanal há 30 anos, no Paraná. A Jasmine está consolidada em todo Brasil e ampliando sua atuação para a América Latina. Desde 2014, a marca pertence ao grupo francês Nutrition et Santé, detentor de outras marcas líderes no segmento saudável na Europa.

Mais informações: www.jasminealimentos.com  

CLIQUE AQUI E VEJA MINA CASA, MINHA VIDA VALPARAISO

Tecnologia do Blogger.